quarta-feira, 27 de julho de 2011

Quando dói...

(To apaixonado pelo blog desse ser iluminado: Marla de Queiroz.  Basta visitar, curtir e viajar entre pensamentos e reflexões. http://doidademarluquices.blogspot.com/ )


Não grite sua dor aos quatro ventos, procure ajuda. Não exponha demais suas mazelas, respeite seu luto e o silêncio que vem junto. A vida é cíclica e tudo faz sentido, mesmo que demore muito.

E não deixe nunca de confiar no seu poder de superação: é a maior dádiva que a Vida nos deu. A melhor fase ainda virá, acredite. Fale do seu íntimo com as pessoas certas e não banalize sua “esquizofrenia”: ninguém precisa acordar e ir dormir com o mesmo humor. E se achar que está enlouquecendo, experimente a loucura, pode até ser divertido.

O tédio do mundo está na falta de cor das pessoas aparentemente “normais”, mas ele também precisa delas para funcionar. Ninguém é tão feliz o tempo todo e a vida não é linear assim: cinismo é diferente de otimismo. Seja alguém de verdade. E se deixe tocar pelas coisas que se comunicam com você lá dentro.

Se não encontrar amparo do outro, dê-se. Não queira que sintam pena de você: não sentimos pena de quem admiramos. Reflita, reflita, agasalhe-se de bons pensamentos, funciona em algum momento. E pare de falar mal dos outros: todo réu teve sua oportunidade dada pela “tal vítima”.

*

*

Marla de Queiroz

P.S.: Este texto nasceu por causa dos tantos e tantos e-mails de lamentações que tenho recebido. Sei que muitos escreveram porque perceberam que eu também estava fechando ciclos. Agradeço a confiança, mas adoraria que vocês (re)tomassem novamente a rédea dos teus destinos e determinassem um tempo pra esses lutos. Há vida demais lá fora....bora?


Nenhum comentário:

Postar um comentário