domingo, 28 de agosto de 2011

Sem lenço sem documento...

Ensolarado domingo.. Vou, caminhando sem ânimo pelas areias de uma que se chama "Praia do Futuro"...eu,  ando incerto quanto ao meu.. Lembrei da frase do album da Roberta Sà: "Que belo dia triste pra se ter alegria"...
Observo som das crianças banhando-se no mar, casais abraçados, aqueles caras com seus corpões de  sunguinha me desviam momentaneamente atenção.. Olhares reprimidos, ainda me sinto mutante.

Penso em Deus. Ou melhor, na necessidade que eu deveria ter de pensar mais Nele. Parece que o HIV me trouxe uma certa ponderação frente ao todo poderoso.. Uma penalização derivante da culpa, que ainda insiste em aparecer vez por outra...
Ainda que com lágrimas nos olhos, nunca quis ser hipócrita com Deus só porque estou numa situação limite. Penso Nele como um ser "maior" que tudo sabe, tudo vê, conhece melhor que ninguém quem sou, o que sou.

Peço a Ele forças. Que me dê animo e equilibrio pra lidar com essa conHIVivencia por vezes bem conflitante. Penso no amor... do conto de fadas que me permiti viver nos últimos 05 meses e logo me vem a realidade que o H vêm nos impondo, querendo ser parte ativa dessa história pela ameaça por sua existência em mim, do medo que me impõe ao vivenciar meu prazer, que como já disse cazuza: Agora é risco de vida...

Já perdi muita coisa...Perdi pessoas que amava.. Inclusive para o tal "H"...Agora ele tenta me roubar mais uma vez o lindo "menino de oculos escuros'' que invadiu minha vida e por tempos neutralizou meu inimigo intimo... `Pela vacina: amor...





terça-feira, 23 de agosto de 2011

Médica prega 'muro com HIV' para evitar que os bandidos entrem


Médica alega que não aguenta mais ser assaltada
Vítima de dois furtos nas últimas semanas, uma médica de Brasília chocou os vizinhos ao pregar no portão cartaz com os dizeres "muro com sangue HIV +, não pule", acompanhado de manchas cor de sangue e seringas amarradas ao muro com as pontas viradas para cima.
A casa da médica foi alvo de dois pequenos furtos, diz Barbieri. Há dez dias, um cortador de grama foi roubado, mas recuperado na sequência pela segurança do condomínio. Depois do incidente, uma TV foi levada. A síndica admite que são registrados pequenos furtos, mas diz que as ocorrências são "pouquíssimas para o tamanho do condomínio".  A médica em declarações, disse que trabalha em um hospital público de Paranoá, e que foi onde conseguiu as mostras do vírus que afirma ter colocado nas seringas.

Diante de tal noticia dei primeiro uma risada (meu humor negro sobrevive ao H)....Depois diante da repercussão na mídia e pensando melhor sobre tal INSANIDADE dessa senhora, é que resolvi escrever...

Até entendo a indignação da mesma diante da INSEGURANÇA e IMPUNIDADE ao qual todos estamos vivendo nesse pais. Acredito até que tal ato tenha se dado mais por um PROTESTO no sentido de chamar atenção mas dai a usar-se da Aids para isso foi longe demais...

Simplesmente ridículo, ainda mais se tratando de uma médica. Ela deveria ser apresentada a novíssimas tecnologias na área de segurança patrimonial, como exemplo: Cameras de Segurança, cerca eletrica, alarme. E por ser médica não saber que o virus não sobrevive nem 1 minuto fora do corpo em ambiente não controlado...

Mexer numa ferida aberta dessas chega a ser desumano. Estigmatizar ainda mais a pessoa vivendo com HIV a uma arma ambulante.

Sera que o cortador de gramas e tv de plasma roubados valem o preço da exposição/associação que ela fez de centenas...milhares de pessoas lutando dia-a-dia pela sobrevivência?? 
Essa foi a ETICA que ela aprendeu na faculdade?

Não tem nada a ver com insegurança, é prepotência de alguém que se imagina um ser à parte na criação, e que do alto da sua arrogância se imagina imune às desgraças que podem acometer qualquer ser humano.

Tomara que no futuro quanto os filhos dela a levarem a um abrigo de idosos os donos não afixem na portaria: não aceitamos idosos com câncer, mal de parkison, diabetes, hipertensão ou qualquer coisa assim.


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Quem tem consciência para ter coragem
Quem tem a força de saber que existe
E no centro da própria engrenagem
Inventa a contra-mola que resiste



Quem não vacila mesmo derrotado
Quem já perdido nunca desespera
E envolto em tempestade decepado
Entre os dentes segura a primavera



(Primavera nos dentes - João Ricardo/João Apolinário)

Reflexões entre idas e vindas ao médico ...

Hospital DIA.. Localizado numa área afastada do grande centro, numa dessas BR's.. De inicio, me transmitiu mais segurança pela distancia e localização discreta do prédio. Sendo mais fácil afastar os fantasmas de ser visto por conhecidos adentrando ao tão recinto...

Imaginava sempre: - Ei Mutante h, fulano te viu indo lá no DIA...Ou então o boato já correndo solto...
Ou o medo de encontrar aquela "bee" conhecida que nunca fora com sua cara e que de birra resolvera fazer a "maldita marketeira" espalhando bem tal fato..

Essas salas de esperas de SUS muda-se de cidade somente, pois são iguais em tudo quanto é lugar. Adquiri uma constante curiosidade que me faz utilizar o ato de OBSERVAÇÃO... Fincando olhares aos que esperam atendimento como se buscando nas expressões de seus rostos, imaginar como fora a reação pós descoberta ao HIV? Como lidam? Quanto tempo já convivem com o tal "bichinho"...Se haviam sofrido situações de preconceitos..

O tédio da espera desata em mim um rio de infinitas recordações. Acho que ai reside a diferença das consultas médicas de quem é soropositivo. Pensando de tudo um pouco, resgatando imagens perdidas no tempo, rostos, detalhes...

Um momento propicio para esse livre fluxo de pensamentos, que passará a ser um exercício, explorando rostos/expressões, tentando captar daquelas pessoas algo que pudesse me nortear... Impacientes, anónimas.. Cada qual com suas histórias... Eu e elas no mesmo barco!

Lembrei que nas primeiras consultas uma moça bem humilde, que segundo ela, estaria ali pra aplicação de uma vacina sentará ao meu lado.. Ela puxou conversa, eu de cabeça e olhar baixo... Ela entre umas e outras perguntou o que eu fazia ali...Eu num lapso impulso respondi: tenho HIV.
Pensei em seguida que ali encerraria-se nosso papo.. Ela por sua vez, e seu jeito simples de expressar proferiu a seguinte frase: A VIDA SEGUE PRA FRENTE! ...foi chamada pela enfermeira e me desejou sorte e que tudo ia dar certo pra mim...

Três anos e meio entre idas e vindas ao médico, ainda exercito minha analise das pessoas que ali estão... Oras vejo cenas mais assustadoras, pessoas debilitadas, magras, outras nem tanto.. Também garotos atraentes, cheios de estilo e sex appel.. Mulheres num ritmo cada vez mais frequentes, senhoras e senhores de certa idade também mostrando o tal lado cronico do HIV, sem tanto alarde e estigmas...

O friozin e expectativas a cada resultado de exames fazem parte também dessas idas e vindas.. A cada bom resultado aquela sensação de VIDA fervilhando frente ao vírus, alegria quase sempre tão contidas...

Talvez um dia me acostume... Não tornando dessas idas e vindas tantas análises de caso (o meu próprio)...


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A Aids na minha vida - Depoimentos

" As pessoas estão nos encarando! Então, encare-as de volta."
" Eu sou uma pessoa que presta! Se me infectei foi pq fiz sexo sem proteção." 
       "RE-DESCOBRIR-SE  "
              " RESSIGNIFICAÇÃO DA VIDA"

 
 
 


REAGENTE PARA O HIV (II) : O reconforto de um depoimento...

Quando comecei as postagens do blog e até na escolha de Mutante H referi-me a essa sensação de ter tornado um ser solitário, um MUTANTE mesmo perante a sociedade.
E quando parti pra web em busca de mais mutantes encontrei muito conteúdo de "auto-ajuda" que pelo menos no meu caso não ajudou em NADA!
Pois são frases feitas que podem ser bem aplicadas em outras situações, mas não me sentia reconfortado por elas.

Até que um belo dia descobri blogs com relatos da realidade nua e crua, com toda a carga de medo e dor que envolve ser portador desse vírus.   Hoje Irei Viver +  numa postagem dessa conHIvivencia tocou bastante pois a dias atrás eu também estava nessa desconfiguração arrumando Minha Casa de Dentro... Não estou sozinho, há mais mutantes h.
"É muito, muito, muito difícil passar por todo esse processo do HIV. Parece que o mundo, a família, os amigos, as pessoas, o trabalho... Tudo fica desfocado, desconfigurado. Como se nós, num primeiro momento, ficássemos anestesiados. Nada existe além desse vírus e, ao mesmo tempo, tudo parece ter um peso maior do que realmente é... Uma sensação de transe nos acomete. Estamos sem estar. Parecemos viver numa outra dimensão. Tornamos-nos apáticos, letárgicos, cansados de tudo. Como se a nossa vitalidade se esvaísse em três palavras: REAGENTE PARA HIV. Vem o medo, a dúvida, a culpa... O preconceito, maldito filho da ignorância. Mais dúvidas, mais medo... Quanto medo! Esse veneno mais perigoso que o próprio vírus. Tristeza. A solidão, oportunista, nos pega a força e nos mantém reféns, por muito Tempo... Por pouco Tempo. Não importa. Esse senhor, o Tempo, nunca mais será o mesmo... Queria um abraço. Queria não precisar lidar com nada disso. Queria voltar no Tempo... Olha ele aí novamente! Preciso ser forte, preciso de força... Queria um abraço... Esse aconchego que ameniza as dores. Queria poder abraçar a todos que, assim como eu, convivem com esse vírus maldito. Shiiiiiiii! Não precisa dizer nada. Só me abraça... É a única palavra que eu quero ouvir. Faz-me esquecer dessa coisa em mim! Diz que tudo vai dar certo, acredito em você.

"Senhor dá-me serenidade para aceitar tudo aquilo que não pode e não deve ser mudado. Dá-me força para mudar tudo o que pode e deve ser mudado. Mas, acima de tudo, dá-me sabedoria para distinguir uma coisa da outra."

Amigos virtuais, hoje, que descrevem de forma emocionante/realistas aquele nosso pensamento mais intimo e de forma "humana" sem parecerem "donos da verdade". Mostra bem o dia-a-dia oscilante nessa variante de pensamentos que se torna nossa vida pós reagente para o HIV.

O efeito psicológico/emocional agrupado ao vírus que a medicina pouco consegue atacar!


Reagente para o HIV = REAGIR pra se manter VIVO


Lendo e acompanhando outros relatos de quem se deparou com as palavras capazes de mudar pra sempre uma vida: REAGENTE PARA O HIV, pude perceber como o doloroso processo dessa descoberta gera as mesmas sensações: Choque, Negação, Raiva, Medo, Dor, Tristeza e por outro lado gera, em outros, REAÇÕES de: Conscientização da doença, Busca de informações, Luta, Humanização e Sensibilidade.

Não sou e não serei mais o mesmo de antes, fato. Surgem novos dilemas/situações ao qual teremos que aprender a REAGIR. É o que nos resta, lutar pelo irreversível!
E a luta é diária. São momentos oscilantes entre Esperança e Derrotismo.

Esse ano fez 03 anos da minha depararão com o resultado e minha saúde ta bem, carga viral indectavel 5 meses de uso dos remédios, CD4 se mantendo entre 392 a 400, sem efeitos colaterais trabalhando, estudando e até namorando. Fazendo uso do Biovir e Efavirenz que hj ouso brincar dizendo que são minhas vitaminas para a vida. Acho que essa conscientização da importância a adesão do tratamento fez com minha mente ajudasse a criar o habito de tomar corretamente os remedinhos, sendo 10h manhã e  10h noite (biovir) e outro na hora em que to indo dormir (Efz).

Mudei também meus hábitos alimentares, passando a ingerir mais agua, frutas e verduras e aproveitando também pra cuidar do corpo através de caminhadas e idas a academia. Da mente é um processo diferente, como não há medicação para o lado psicológico do HIV só resta trabalha-la em busca de EQUILÍBRIO.

Entendendo que pra cada dia bacana que tenhamos, surgiram também dias nublados em que acordaremos mais tristinhos e ficaremos negativando a vida. Eu oscilo, caio, deprimo..levanto, faço umas comprinhas, faço um sexo, retoco a maquiagem e filtro solar e vou a caça..ops!luta.

É preciso REAÇÃO para que o HIV não passe a ser o PROTAGONISTA de nossas vidas (e olha que ele foi no 1 ano invicto, só dava ele, rsrs). Buscar a convivência pacifica com esse inimigo intimo que espera qualquer falha nossa pra invadir nosso sistema de defesa e nessa multiplicação fazer aquele estrago.

Não existe formula, cada pessoa terá seu próprio tempo e maneira de REAGIR. Fiz o relato apenas como aceno de uma possibilidade para tantos que assim como eu buscaram, através da Internet, informações menos cientificas sobre a doença e sim de quem vive e conHIVe.




terça-feira, 9 de agosto de 2011

HIV/AIDS: Fantasmas e dilemas

30       
             X            

 Há exatos 30 anos era anunciado ao mundo a descoberta de um novo vírus que mudaria pra sempre a história da humanidade. O HIV passa então a representar, em primeiro momento, a sentença de morte de muitos infectados daqueles turbulento anos 80.

Nasci no ano de 1982, auge da descoberta e terror da Aids, e passado 25 anos depois, precisamente no ano de 2007, iria me deparar com a temida doença, vivenciando todos os fantasmas que ela apresentaria.

A grande esperança é que a medicina já encontra meios de um tratamento eficaz, através dos antiretrovirais.

No entanto, os dilemas que o soro positivo precisará enfrentar estão ainda sem "tratamento", pois há ainda muito TABU que consequentemente alimenta o PRECONCEITO, esse por vez que MATA até mais que a presença do vírus em nosso organismo.

DILEMAS E FANTASMAS x ComHIVendo

- CULPAS: inevitável em momentos de fraqueza quem já não se tenha feito a seguinte indagação> Pq eu.. pq comigo?? Ah, se pudesse voltar atrás.. fantasmas q teimam em re-aparecer a qq sinal de fraqueza que nosso emocional venha a sofrer.

- MEDOS: a convivência com o HIV trava uma silenciosa guerra interna, onde em alguns momentos qualquer resfriado ou gripe alavanca uma série de medos, receios. O friozinho na barriga a cada resultado dos novos exames de rotina... A cada situação cotidiana em que nos sentimos expostos.

- CONTO OU NÃO CONTO: outra questão delicada que cedo ou tarde terá de se enfrentar. Seja aos amigos confiáveis, a família ou ainda a um sinal de relacionamento afetivo que comece...

- PRECONCEITO, O MAL DO SÉCULO: se já não bastasse todo o fardo psicológico que o HIV traz em seu "pacote", surge esse que considero o pior. Preconceito causa REJEIÇÃO que consequentemente induz a DEPRESSÃO, que causa uma MORTE SOCIAL que ceifa mais rápido que a própria AIDS.

Enfim, começo a escrever esse blog com intuito apenas de dividir esses dilemas e fantasmas que passam a fazer parte do dia-a-dia de um portador do vírus HIV.

Ao longo de 3 anos e meio conHIVendo descobri que a MENTE passa a ser NOSSO grande ALIADO na luta contra essa doença. Precisamos ter equilíbrio pra nos fazermos fortes.

Não basta que tenhamos só rémedios eficazes que aumentam nosso tempo de vida, se ainda tivermos que enfrentar tantos dilemas que poderiam ser amenizados se as sociedade debatesse mais a fundo e entendesse o EFEITO PSICOLÓGICO/EMOCIONAL que o HIV impõe.
A LUTA é grande e dividirei meu dia-dia de conquistas e por vzs fraqueza tbm ...

Realidade Gay NUA e CRUA

Lendo o blog do escritor Kiko Riaze ele descrevia sua desesperança na tão DESunida comunidade GLBTwyz... rsrs
Transcrevendo uma situação vivenciada pelo autor que em muito nos lembra nosso próprio cotidiano.

EU: Sabe, tem horas que eu fico muito decepcionado com a “comunidade” gay.
GAY GENÉRICO: Qual foi o bafo dessa vez?

EU: Ah… Semana passada eu postei um link no meu blog para as pessoas aderirem a um abaixo-assinado contra o “estupro corretivo” de lésbicas na África do Sul. Mas o povo nem se mobilizou. Você acredita que de 2.581 visitantes (gays) que entraram no meu blog durante a semana apenas 7 clicaram no link?
GAY GENÉRICO: …

EU: Em contrapartida, um link que eu postei há algum tempo atrás para um ensaio fotográfico do ator pornô François Sagat recebeu em uma semana 171 cliques!* E olha que, naquela época, o meu blog nem recebia o número de visitantes diários que recebe hoje em dia.
GAY GENÉRICO: Ah, viado, quem é que vai querer acessar um link de um abaixo assinado contra estupro de sapatão na África? É muito melhor ver a bunda malhada do François Sagat!

EU: Mas como gay você não acha que é o nosso dever lutar contra a homofobia?
GAY GENÉRICO: Mas a África é tãoooo longe!

EU: Qual a diferença? O lugar não importa! Homofobia é homofobia em qualquer lugar! Recentemente aconteceram vários crimes de homofobia no Rio de Janeiro, em São Paulo…
GAY GENÉRICO: Ah, é? Mas não deve ter saído na capa do jornal, não, porque eu nem tô sabendo… Mas com certeza deviam ser bichas pintosas. Pode apostar! Devem ter feito alguma coisa para merecer a surra!

EU: Não acredito que eu ouvi isso! É por essas e outras que o PLC122 foi arquivado no Congresso Nacional! Somos muito desunidos!
GAY GENÉRICO: Hein?!? PLC o quê?

EU: PLC122, criatura! O Projeto de Lei que iria tornar a homofobia crime no Brasil. Não é possível que você nunca tenha ouvido falar… Nem parece que você vai todo ano à Parada Gay!
GAY GENÉRICO: Xiii… Você tá falando igual àqueles chatos de galocha da militância que ficam discursando na concentração em cima do trio elétrico… Pára, viado, ninguém presta atenção naquilo! O povo só vai à Parada pra ferver!

EU: Nossa, mas você deveria se interessar por estes assuntos também, sabia?
GAY GENÉRICO: Aff! Eu já tenho um monte de coisas com o que me preocupar! Tô cheio de contas pra pagar. Meu cartão de crédito tá estourado, comprei uma calça jeans carésima, um perfume maravilhoso da Pacco Rabanne e ainda tenho que arrumar dinheiro pra minha depilação, pros meus cremes, pros meus anabolizantes e pra uma sunga nova pra ir à pool party na semana que vem. Ah, e ainda tenho que arrumar aqué pra comprar bala, porque eu que não vou ficar careta na balada, né?

EU - … direitos gays, visibilidade, luta contra o preconceito, união civil gay…
GAY GENÉRICO: Tá boa, bonita? Casar pra quê com um monte de bofes no mundo pra fazer!?! Aliás, eu já te falei do carinha que eu conheci no Manhunt? Ele se mostrou na web cam pra mim ontem… Diz que é bissexual e casado com mulher, acredita? E morra de inveja: a mala dele é tudo! 22cm!

EU: Caramba, mas você não dá a mínima para assuntos mais relevantes?
GAY GENÉRICO: Claro que sim!… Você já soube que a Kate Perry e a Rihanna vem pro Rock In Rio? Tô indo agooora comprar meu ingresso!

* Os dados , infelizmente, são reais e foram extraídos das estatísticas do painel de controle do blog do Kiko Riaze.

Realidade nua e crua…
Infelizmente, grande parte dessa esfera gay é extremamente desunida e só pensa no tamanho do p…do  “bofe”… Se nós q já fomos vitimas na década de 80 com o estigma de carregar a “peste gay” e hoje passados 30 anos, gays são em diversas vezes os primeiros a discriminar quando descobrem alguém do meio como soro+.
O gay genérico ai do texto, infelizmente é aquele mesmo que usa expressões de humor negro com um colega gay portador do hiv, dizendo que aquela lá tem a “tia”, ta “coroada”, tem o sangue doce, ta carimbada..dentre outros..
Usei esse exemplo, apenas para ilustrar o gay que já foi tão perseguido e tão associado a AIDS, e se ainda assim não conseguem militar pela causa, dar força e quebrar tabus ajudando de forma solidária no debate, se tornam eles próprios os primeiros a ajudar a propagar a ideia que perpetuara o preconceito.
 

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

MARGINALIZAÇÂO do GAY x AIDS

Recente divulgação da OMS aponta que 1 a cada 10 gays ou bissexuais tem HIV e que homossexuais tem 20% maior chance de contrair o vírus da Aids. Eu sendo GAY e Soropositivo entrei numa profunda reflexão acerca desse tema. De como o assunto GAY + AIDS estão ainda tão atrelados.

Meu relato pessoal apontaria ao acerto da informação acima, mais tbm aponta a MARGINALIZAÇÃO do GAY como proximidade para tais índices.

Acredito que INFORMAÇÃO não seja o problema como foi em meados dos anos 80. Hoje, com a Internet, livros, filmes e maior divulgação da AIDS todos já entendem a forma como se pega e seus riscos não é mesmo!! 

Nós GAYs carregamos muito estigma e uma vida tida como promiscua por parte da sociedade. No entanto, desde cedo carregamos conflitos demais pela nossa inclinação ao desejo pelo semelhante. No inicio, nos sentindo sozinhos nesse mundo, observando esteriotipos super criticados, condenados pelo nosso grupo de convívio. O medo de ser a "aberração" da família, da humanidade nos faz reprimir durante muito tempo o natural desejo por outro homem e quando descobrimos que não estamos sozinhos nisso e que há um núcleo, um pequeno núcleo que compartilham dos mesmos DESEJOS/SENSAÇÕES/PENSAMENTOS é que INSTINTIVAMENTE passamos a procura-los denominando a CAÇA.

Passamos ou nos tornamos SUBVERSIVOs já que a família fica em cima, a sociedade fica em cima, a religião fica em cima que passamos a viver num SUB-MUNDO onde a LIBERTAÇÃO SEXUAL muitas vezes vem como afirmação dessa nossa identidade, e claro também pra saciar nosso desejo tão reprimido.

Minha vida sexual homossexual começou aos 14 anos onde ser gay era quase que ser criminoso, sujo, pecaminoso, uma coisa feia e vergonhosa.  Era como se a cada vez que eu "trepava" na surdina com um primo, vizinho ou coleguinha eu pudesse ser "descoberto" e condenado.

Então, o meu desejo foi levado... meu desejo foi ensinado a se manifestar somente em situações ligadas à marginalidade: Noite! Escuro! Escondidos! Levei tempos pra entender pq o sexo comigo teria (no inicio) que necessariamente ser as escuras, chegando a brochar se fosse as claras.

Minha prática sexual (como a de muitos gays) passava a se manifestar nos barzinhos, becos escuros, ou ao apagar das luzes de casa.. Os tipos de caras sendo sempre me ligando aquele ambiente, submundo...surdina..

O gay é educado pra ser marginal e não mocinho. Eu, cresci descobrindo e praticando minha identidade sexual a margem do que julgam ser certo. Não vou longe em dizer pq a droga e o gay se ligam tbm em algum momento, neh!

Assim como o banheirão, cinemões, saunas e lugares do tipo que foram redutos assíduo frequentados nas décadas de 60, 70, 80.
A AIDS chegou e pegou essa geração que já se preparava pra UMA FIRMAÇÃO dessa orientação sexual perante a sociedade. E infelizmente regredimos e voltamos a linha de marginalização que perdura até os dias de hoje.

Voltamos todo o processo de CULPA inicial engrossando as falas dos religiosos e da sociedade contrária ao gay. Dai a AIDS não trazer o sentimento da solidariedade , e sim um cego e grande PRECONCEITO..

Hoje, ainda somos limitados a boates gls, salas de bate papo e lugares que nos levam a estar a margem sempre, como minorias, excessões, grupos...Ensinam-nos a procurar o tal núcleo, onde somente neles seremos aceitos e viveremos "felizes para sempre".

 






domingo, 7 de agosto de 2011

ROMPENDO BARREIRAS

Esse fim de semana baixei e assisti a um filme tocante baseado em uma história real. Envolvendo universo de superação, conflitos em familia, descoberta de HIV, vulnerabilidades. Um filme que arranca aquele choro contido da gente. Cenas lindas como a cena em que pai e filho se fortalecem pra superação do medo da morte. Vale a pena conferir!

FILME: ROMPENDO BARREIRAS
Título original: BREAKING THE SURFACE
Gênero: Biográfico / Drama

Antes de mais nada, se trata de uma história verídica, do maior saltador olímpico existente de todos os tempos que que conquistou a maior quantidade de medalhas de ouro e era também homossexual e soropositivo.

Filme biográfico de excelente nível, a respeito da vida de Greg Louganis, um mestiço, metade americano e metade maomano, que sofreu durante toda sua infância por ser adotado e rejeitado por seu pai, que sempre o maltratou e nunca o incentivou o defendeu-o em nada.

Mostra que sempre se pode crescer, sempre se pode dar a volta por cima, e sempre podemos ajudar ao próximo, mesmo quando estamos no fundo do poço.


Disponivel no melhor blog de filmes da temática LGBT: Intercinegay 
Para download clique aqui

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Minha casa de dentro...

Tem fases (dias) em nossa vida onde as incertezas e angústia parece não ter fim. Tenho me distanciado e assim até entristecido algumas pessoas... Não que eu tenha sido grosseiro, mas tenho precisado tanto refletir sobre o meu novo ciclo e como me adaptar a ele que me tornei indisponível e intolerante para o outro.

Estou triste por dentro, não tenho o que dar agora, e quem sempre teve de mim os melhores frutos, fica magoado por esta ausência. Sempre fui fortaleza e hoje me pego surpreso comigo mesmo pela falta de perspectivas e medos que venho sentindo. Sou tão humano quanto todo mundo e, às vezes, preciso desse tempo pra sobre-viver. Silêncios intactos. Abstinência.  É tanta luta!

Abismos que me levam ao fundo para poder só assim achar uma saída. A única coisa que sei é que dias ensolarados virão. Mas enquanto eu sentir esse vazio, terei que ter fé e buscar entedimentos de que a vida é cíclica e de que senti-la é a única forma de entender essa dor... 

Então, enquanto eu não arrumar minha casa de dentro, escreverei aqui minha tristeza, minhas angústias: estas estão em mim, mas ainda não se organizaram em palavras. Adoraria escrever um texto motivador, mas seria incoerente ao escrever algo que no momento não estou sentindo.

E o que escrever quando não se tem tanto a dizer? Posso contar das poucas mudanças que vêm me ocorrendo, acompanhadas de uma melancolia. Posso falar do que tive que descartar ou incluir na minha vida para que as mudanças ocorressem mesmo que algo tenha doído nessa re-descoberta diária.

O que importa é a verdade, não a metáfora. O mundo já ta cheio de frases prontas sobre males que vem para o bem, apesar de que a maior parte vem é para o mal mesmo. rsrs

Tudo em mim é tão silencioso e cheio de palavras que se explicam por dentro. Jamais conseguirão concatená-las da forma como elas vêm em forma bruta, quando ainda apenas um pensamento. Mas existirá sempre um jeito de olhar ou uma delicadeza no tratamento da relação que dispensará qualquer explicação.

Agora somos eu e a minha página escrita, publicada. Como se buscasse nos caminhos de um universo virtual a companhia e o abraço de quem eu não tenha por perto. Não contei nenhuma história importante, até pq ando meio sem assunto. No fundo, no fundo, eu só queria saber como acordar um dia e não ter de lembrar ou conviver com tais fantasmas impregnado, intimo e silencioso que agora hábitam em mim.

Talvez seja só uma fase. Cedo ou tarde há de passar...
Eu. Espero por isso.